Home > Opinião > Lesão no surfe: Socorro, travei de tanto remar!

Lesão no surfe: Socorro, travei de tanto remar!

por | jan 30, 2018 | Opinião

Depois de dias intensos de ondas na casa dos 2 metros, sinto que vou travar a qualquer momento. Meu corpo grita por socorro, mas as ondas estão perfeitas. O que fazer nesta hora?

Adormeço rezando para não travar. Uma hora dessas meu idealismo já foi pra cucuia e vou me deitar sufocada pelo spray aerossol “altamente corrosivo”. Nessas horas o que é um peido pra quem tá cagado? E mando sem dó um Tandrilax.

Lá se vai meu lado natureba. Ah passa arnica, vai dizer a amiga mais riponga. Arnica o escambau. Rezo é pra não parar numa maca de hospital.

Fazia um mês, mais ou menos, que as ondas não davam nem sinal. Este verão tem sido rigoroso em manter-se fiel a fama de mal.

Certa vez ouvi um cara dizer que surf era um esporte de inverno. Na hora, confesso que discordei. Não sei se pelo seu ar pretensioso demais, ou se por me lembrar de bons dias de surf no verão.

Fato é que hoje vejo, ele tinha razão. O verão é como uma espécie de punição para nós surfistas. O sol castiga a pele, o crowd aumenta consideravelmente e as ondas parecem evaporar com o calor escaldante.

Como tudo nessa vida é passageiro, até a escassez veranística tem seu fim. E o que se faz quando o tão esperado swell chega?

Se esbalda, se lambuja, tira a barriga da miséria, surfa até o braço cair…ou até (no meu caso) o pescoço travar.

Alguns vão dizer que é falta de preparo. Outros, me acusarão azarada. Confesso que pode ser mesmo um pouco das duas coisas.  Honestamente, diria que muitas coisas podem estar relacionadas quando se trata de lesão no surf. A verdade é que não há amor sem dor.

Por isso crianças, façam o que eu falo e não o que eu faço! Preparem-se fisicamente, mesmo no verão, para o swell da vida. Alonguem-se depois de TODAS as quedas.

A gente nunca sabe quando será o momento de glória, daquele tubaço da vida.

As dores e as delícias do surfe andam lado a lado, no nosso caso, disputam cada remada.

Dedicação, atenção, respeito e paixão, coisas que não podem faltar de jeito nenhum no outside!

Até o próximo swell!

Sobre o autor

Origem Surf

Janaína Pedroso surfa há 21 anos. É formada em Comunicação Social/Jornalismo, com especialização em Roteiro para TV, Teatro e Cinema. Já atuou como apresentadora com passagens pela Globo, Band e CNT e como repórter para Editora Trip. Atualmente divide seu tempo entre a maternidade, o surfe, a produção de textos e à frente da empresa de comunicação Origem Press.

Postagens relacionadas
Revolução do surf feminino a partir de igualdade nas ondas

Revolução do surf feminino a partir de igualdade nas ondas

Definir este momento na história do surf feminino é desafiador. As recentes competições em Pipeline e Sunset deram ao público uma visão significativa do que esperar do futuro do surf feminino de competição. Por muitos anos, a superioridade masculina foi a norma,...

Quais são os principais tipos de surfistas

Quais são os principais tipos de surfistas

Do local raíz à mulher machista; saiba quais são os tipos de surfistas mais "inusitados". O universo do surf é vasto, um caldeirão de personalidades que compõem uma teia complexa, moldando a dinâmica do outside com certa diversidade e controvérsia. Desde os secret...

A miopia social e os questionamentos sobre o surf feminino no Brasil

A miopia social e os questionamentos sobre o surf feminino no Brasil

Sobre uma certa miopia social que acomete parte de surfistas que acreditam aque as ondas artificiais estão ao alcance de todos. Recentemente, o surfista, apresentador de TV e ex-competidor Marcelo “Trekinho” falou que “piscinas de ondas favorecem todo mundo. Você só...

0 comentários

inscrição feita!

Pin It on Pinterest