Home > Surfe Feminino > Perfil das surfistas brasileiras classificadas para Olimpíadas

Perfil das surfistas brasileiras classificadas para Olimpíadas

por | jul 3, 2024 | Surfe Feminino | 0 Comentários

O surf feminino brasileiro tem se destacado no cenário internacional, graças a presença de Tatiana e Luana Silva, que recentemente se naturalizou brasileira. Antes dela, Weston-Webb já havia mudado de bandeira. Confira um breve perfil das surfistas classificadas para as olimpíadas.

Recentemente, Tainá Hinkel, nascida e criada no Brasil também passou a ter notoriedade global, a medida que se classificou para as olimpíadas que serão disputadas em Paris, e nas ondas de Teahupo´o, no caso do surf.

Com perfil e estilos distintos, as três surfistas classificadas para as olimpíadas conservam em comum a dedicação e amor profundo pelo surf competitivo.

Tatiana Weston-Webb

Idade: 27 anos
Naturalidade: Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Tatiana Weston-Webb, nome já bem conhecido no circuito mundial. Nascida no Brasil e criada no Havaí, ela trouxe uma combinação única de técnica e força. Tatiana se destacou no Championship Tour (CT) da World Surf League (WSL) com performances consistentes, pontuadas por meio de sua habilidade em condições pesadas. Cirúrgica e determinada, ela é conhecida pela habilidade em tubos.


Luana Silva

Idade: 19 anos
Naturalidade: Honolulu, Havaí (naturalizada brasileira)

Luana Silva vem conquistando espaço no cenário internacional. Apesar de ter nascido no Havaí, Luana compete pelo Brasil, mostrando grande talento e potencial em competições importantes. Seu estilo fluido a torna adversária dura.

Tainá Hinckel

Idade: 21 anos
Naturalidade: Palhoça, Santa Catarina

Tainá Hinckel é uma das jovens estrelas do surf brasileiro. Desde muito jovem, ela tem impressionado com sua técnica e determinação nas competições. Sua progressão rápida no surfe profissional e suas vitórias em eventos importantes a tornaram uma forte candidata para representar o Brasil em Paris. Tainá traz um frescor ao time brasileiro e está pronta para fazer história nas Olimpíadas.

O Brasil vai para os jogos de Paris 2024 com seis surfistas ao todo. E pela segunda vez na história o surf terá a oportunidade de disputar uma ou mais medalhas olímpicas.

Tainá Hinckel durante etapa do QS organizado pela Neutrox no Rio.
Sobre o autor

Origem Surf

Janaína Pedroso surfa há 21 anos. É formada em Comunicação Social/Jornalismo, com especialização em Roteiro para TV, Teatro e Cinema. Já atuou como apresentadora com passagens pela Globo, Band e CNT e como repórter para Editora Trip. Atualmente divide seu tempo entre a maternidade, o surfe, a produção de textos e à frente da empresa de comunicação Origem Press.

Postagens relacionadas
Luana Silva e Tatiana Weston-Webb nas quartas do Vivo Rio Pro

Luana Silva e Tatiana Weston-Webb nas quartas do Vivo Rio Pro

Um dia cheio, com inúmeras baterias e início com as mulheres. Assim foi o primeiro dia do Vivo Rio Pro, etapa mundial de surf, da WSL no Brasil. Luana Silva e Tatiana Weston-Webb fizeram boa campanha e avançam para as quartas de final do evento que contou com praia...

Mulheres brilham em condições clássicas no Hurley Pro Sunset Beach

Mulheres brilham em condições clássicas no Hurley Pro Sunset Beach

Ondas altas e performances belíssimas marcaram a estreia da categoria feminina no Hurley Pro Sunset Beach, a segunda etapa do calendário do Championship Tour (CT) da WSL. A líder do ranking, Caity Simmers, teve que se esforçar para se manter na competição. Com uma...

Sierra Kerr domina Teahupo’o em ‘Pre-Kerrsor’

Sierra Kerr domina Teahupo’o em ‘Pre-Kerrsor’

Acabei de assistir a "Pre-Kerrsor", o novo filme de Sierra Kerr em Teahupo'o, entre outros picos; com edição de Jesse Litle. São pouco mais de 18 minutos de performances em diferentes ondas: pequenas, médias, grandes, espetaculares. Sem dúvida, o ponto alto do filme é...

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

inscrição feita!

Pin It on Pinterest