Home > Notícias > Mulheres que estão revolucionando os bastidores do surfe feminino

Mulheres que estão revolucionando os bastidores do surfe feminino

por | mar 8, 2019 | Lifestyle, Notícias, Surfe Feminino

No Dia Internacional da Mulher o blog apresenta mulheres e projetos que por meio do surfe, têm ajudado a transformar o cenário do esporte no país

Elas podem não ser as melhores surfistas, nem surfarem as maiores ondas, muito menos possuírem grandes recordes mundiais. Porém, todas elas têm conseguido um trunfo e tanto: empoderar a si mesmas e a outras mulheres por meio do surfe.

Caroline Lucena e o ‘Jornal Drop’

A  frente do Jornal Drop desde 2007, quando resolveu comprar a empresa do então dono e fundador Luiz Felipe Fernandes, Caroline Lucena orgulha-se em ser o que ela chama de uma “boa representante do trabalho profissional que envolve o surfe”.

Não é para menos. Afinal, além de mergulhar de cabeça e tocar uma publicação impressa por oito anos (o jornal foi descontinuado em 2015, com a impressão da edição 121) a profissional segue atuante em um mercado quase todo masculino.

“Continuo desenvolvendo trabalhos relacionados ao surfe como a organização do Festival Lagoa Surfe Arte, entre outras coisas como a pesquisa e produção do documentário “Criado nas Ondas”, com Zaka Kappel e Donavon Frankeinreiter”, conta.

Sobre o surfe feminino Carol relembra a satisfação de integrar um time com mais de dez mulheres à frente de um festival sobre a cultura do surfe e como a experiência serviu para entender o significado da palavra “empoderamento”.

“A troca de informação e a proximidade com outras mulheres gera o empoderamento feminino, porque é possível perceber o potencial gigantesco que as mulheres têm, seja no aspecto organizacional, o cuidado com os detalhes ou uma entrega muito grande; qualidades femininas que são notórias na hora em que você desenvolve um trabalho”.

A vivência adquirida pelos anos de trabalho em diferentes áreas de atuação, mas sempre relacionado ao tema, faz com que a publicitária enxergue o futuro com bons olhos.

“O fato é que muitas das organizações, ações e eventos de surfe, basicamente, ainda são comandadas por homens. Mas, felizmente e conhecendo o mercado, posso afirmar que há um crescimento notório do envolvimento das mulheres perante essas questões.”

Lívia Aparecida de Sousa e o ‘Surfnelas’

Ao lado de mais quatro mulheres, Valéria, Elisa, Aline e Laísa, Lívia comanda há três anos e nove meses o projeto “Surfnelas”, que nasceu de maneira despretensiosa ao compartilhar sua rotina de surfista no Instagram.

“Sempre que íamos para a praia e postávamos fotos dos nossos dias de surfe, as pessoas interagiam perguntando onde era, o que fazíamos da vida, se vivíamos de surfe”, conta Lívia.

Depois de servirem como fonte de inspiração para homens e mulheres, o Surfnelas tomou outras proporções. “Começamos com festas para capitalizar e assim conseguirmos organizar grupos como retiros e outras ações envolvendo surfe”.

Lívia conta que hoje sua missão é ampliar a rede de conexões e promover discussões a respeito de surfe sustentável. Por isso, surge a campanha #compartilheosurfe. A ação prevê doação de pranchas, meio ambiente e surfe para crianças.

“Não somos salvadoras da pátria e nós sabemos que nesse contexto nem tudo são flores. Mas o que fazemos é com amor e respeito pelas mulheres, pelo surfe e por quem admira o esporte.”

Vanessa Bertelli, Cristiane Brosso e a ‘Longarina’

A Longarina, sob o lema “surf como conexão da mulher com a sua essência”, pode ser considerada um turbilhão efervescente em constante metamorfose.

Visionárias e entusiastas, Cris Brosso e Van Bertelli dão um tom de radicalidade para o movimento do surfe feminino no Brasil. A Longarina, que existe desde 2013, pode não ser a precursora, mas certamente é capaz de ditar comportamentos que extrapolam os perímetros do surfe feminino, propriamente.

A dupla faz jus à complexidade do “ser mulher”, que jamais deve ser reduzida a um único elemento, como o surfe, por exemplo.

Dessa forma, a Longarina reúne mulheres que querem aprender a surfar, mas também fomenta pautas como masturbação, “sagrado feminino”, arquétipos e sobre a lógica ou a falta dela no que diz respeito à orgasmo, entre muitas outras coisas.

A dupla é responsável por unir mulheres nas mais diversas questões sejam elas particulares e, portanto, advindas de cada uma das mulheres que busca a Longarina com a missão de aprender a surfar, sejam coletivas e que tratem de aspectos mais amplos da sociedade como o machismo na indústria do surfe, por exemplo.

“Estamos em um processo complexo nesse momento, que honestamente não sabemos ao certo qual será o resultado”, diz Van sobre os próximos passos da Longarina.

Uma coisa é certa, a rede cresce e a agenda de encontros esse ano que inclui Amazônia (que não tem onda) e destinos internacionais como a Indonésia, colocam a Longarina em um outro patamar, no mínimo diferenciado.

Nesse Dia Internacional da Mulher, um agradecimento especial à jornalista e empreendedora Alexandra Iarussi, à fotógrafa Suellen Nóbrega e a todas mulheres que de alguma forma tornam o ambiente do surfe mais acolhedor e amoroso.

Por Janaína

Sobre o autor

Origem Surf

Janaína Pedroso surfa há 21 anos. É formada em Comunicação Social/Jornalismo, com especialização em Roteiro para TV, Teatro e Cinema. Já atuou como apresentadora com passagens pela Globo, Band e CNT e como repórter para Editora Trip. Atualmente divide seu tempo entre a maternidade, o surfe, a produção de textos e à frente da empresa de comunicação Origem Press.

Postagens relacionadas
Onde assistir o ISA World Surfing Games 2024

Onde assistir o ISA World Surfing Games 2024

Saiba onde assistir ao ISA World Surfing Games que promete ser um dos eventos mais empolgantes do ano para os fãs do surf, reunindo os melhores atletas do mundo em uma competição que não só celebra o esporte, mas também oferece as últimas vagas para os Jogos Olímpicos...

ISA 2024: caminho para Olimpíadas e sustentabilidade em foco

ISA 2024: caminho para Olimpíadas e sustentabilidade em foco

Os Jogos Mundiais de Surf da ISA de 2024 prometem ser um marco no calendário esportivo global, reunindo os principais talentos do surf em busca de uma vaga nas Olimpíadas de Paris 2024. O evento, agendado para ocorrer de 23 de fevereiro a 3 de março, será realizado...

Mulheres brilham em condições clássicas no Hurley Pro Sunset Beach

Mulheres brilham em condições clássicas no Hurley Pro Sunset Beach

Ondas altas e performances belíssimas marcaram a estreia da categoria feminina no Hurley Pro Sunset Beach, a segunda etapa do calendário do Championship Tour (CT) da WSL. A líder do ranking, Caity Simmers, teve que se esforçar para se manter na competição. Com uma...

0 comentários

Trackbacks/Pingbacks

  1. Mulheres que estão revolucionando os bastidores do surfe feminino – IEB Org - […] todas elas têm conseguido um trunfo e tanto: empoderar a […] … Leia post completo no blog Leia mais…

inscrição feita!

Pin It on Pinterest