Home > Colab > Feminicído: surfista e filhas são mortas a facadas

Feminicído: surfista e filhas são mortas a facadas

por | jul 16, 2021 | Colab, Destaque, Notícias | 13 Comentários

Estava colocando as malas no carro para pegar a estrada ontem (15), à noite, quando recebi a notícia. A Dani, com quem passei um fim de semana, na minha última viagem de surfe para mulheres, em Itamambuca, SP, tinha sido morta de forma brutal pelo ex-companheiro, que tirou também a vida das duas filhas adolescentes dela. Uma criança sobreviveu e eu espero um dia poder contar a ela quão maravilhosa era sua mãe. Isso é tudo que eu posso dizer em relação a essa tragédia, pois matérias policiais ficaram no meu passado. Meu texto é uma homenagem à Dani, ao legado que ela deixou e à vida.

por Marcela Lima

A Dani tinha 40 anos, era uma mulher forte, cheia de vida e luz. Estava aprendendo a surfar e como todo surfista iniciante, recém-picado pelo mosquito do surfe, estava super empolgada. É estranho demais pensar que ela não está mais entre a gente. Nunca estamos preparados para a morte. Ela sempre vai doer. Mas quando perdemos alguém jovem e saudável é ainda mais inesperado. Quando eu tinha 18 anos perdi a minha mãe, que lutava há anos contra um câncer. Foi o momento mais doloroso da minha vida, mas a morte nesse caso foi um descanso. Não consigo imaginar a dor da filha de 9 anos da Dani, que perdeu sua mãe de forma tão abrupta. Que Deus conforte o coração dela, da família e de todas nós que ficamos sem nossa parceira de surfe.

A nossa parceira de surfe, Daniela Grecchi, sempre será lembrada com carinho por todas que tivemos a honra de dividir as ondas com ela. Foto: Renata Paiva

Foi difícil dormir essa noite. Não consegui ter um sono profundo, na verdade. Quando abri os olhos, a Dani foi o meu primeiro pensamento. Desde então comecei a ter flashes dos meus momentos com ela. Um deles está registrado no meu feed do Instagram. Nós duas remando para tentar pegar a mesma onda em Itamambuca. Em vez de disputar, uma estava incentivando a outra e a foto da nossa amiga Renata Paiva captou esse momento.

Eu e a Dani remando na mesma onda, durante a nossa viagem para Itamambuca, SP – Imagem: Renata Paiva

Quando eu cheguei em Itamambuca a Dani foi a primeira a me receber. Ela atualmente era o braço direito, esquerdo e tudo mais da Mariana Vervloet, a minha amiga que organiza essas viagens de surfe feminino. A Dani corria atrás de patrocínios e parcerias para as trips, ajudava em absolutamente tudo e mesmo no meio da correria ainda achava tempo para dividir as ondas com a gente.

Na primeira noite ela me chamou para ver a lua, que estava cheia e deslumbrante. Conversamos sobre a nossa religião em comum, ela também era espírita. Falamos sobre nossas tatuagens, os significados delas e ela me falou cheia de orgulho que tinha três filhas. No sábado à noite eu encontrei umas garrafas de gin que uma das meninas tinha levado e cismei de ir ao supermercado comprar gelo e tônicas. Adivinhem quem topou me levar de carro até lá? Claro que foi ela, a mãezona do grupo. Tive pouco tempo com ela, mas pude perceber a alma linda que ela era.

Não vou esquecer, acho que nenhuma de nós que estava nessa viagem, a alegria dela ao ganhar de presente da Mari uma prancha. Era um funboard e ela segurou com os olhos brilhando, como uma criança recebendo o presente de Natal.

Dessas poucas e intensas lembranças que tenho com a Dani há, no entanto, apenas um arrependimento. No domingo de manhã ela me disse que não ia surfar, porque estava menstruada e com muita cólica. Quando ela viu todo mundo saindo da água com a cabeça feita ela mudou de ideia, mas já passava de meio-dia e ela me disse: “Está tarde agora. Eu vou voltar para casa com vocês, para ajudar a levar as coisas e venho aqui rapidinho fazer um surfe sozinha”. Eu fiquei com preguiça só de imaginar ela indo e voltando e acabei a desencorajando. Que ideia mais infeliz a minha.

Se eu pudesse voltar no tempo diria: “VAI, AMIGA!!!” A gente nunca sabe até quando vai estar nesse plano. Por isso a gente precisa surfar as ondas como se não houvesse amanhã, “porque se você parar pra pensar, na verdade não há”.

A passagem da Dani na Terra será lembrada com carinho por todas nós que tivemos a honra e o privilégio de dividir o outside com ela. Era uma mulher com uma história única e ao mesmo tempo tão semelhante a de muitas nós. Com dores, alegrias e sonhos. Viveu um relacionamento tóxico e abusivo e conseguiu sair dele para buscar sua merecida felicidade. Infelizmente. esse direito foi tirado covardemente dela por um monstro. Felizmente ela viveu os últimos meses o sonho que ela queria: pegou ondas, se empoderou, fez amigas, visitou lugares, se divertiu e espalhou luz e amor.

Sobre o autor

Origem Surf

Janaína Pedroso surfa há 21 anos. É formada em Comunicação Social/Jornalismo, com especialização em Roteiro para TV, Teatro e Cinema. Já atuou como apresentadora com passagens pela Globo, Band e CNT e como repórter para Editora Trip. Atualmente divide seu tempo entre a maternidade, o surfe, a produção de textos e à frente da empresa de comunicação Origem Press.

Postagens relacionadas
Sportv promove reciclagem durante etapa da WSL em Saquarema

Sportv promove reciclagem durante etapa da WSL em Saquarema

Sportv promove reciclagem para quem estiver em Saquarema, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro, entre os dias 22 e 30 de junho. Por conta da oitava etapa do Circuito Mundial de Surfe (WSL), o público poderá acompanhar o stand criado com material sustentável, montado...

Surfar traz felicidade aponta estudo recente

Surfar traz felicidade aponta estudo recente

Surfar traz felicidade, isso é o que mostra estudo recente elaborado por pesquisadores da Universidade de Bristol, em parceria com The Wave; envolvendo mais de 1300 surfistas. Os resultados foram divulgados em um relatório que contem dados interessantes sobre...

13 Comentários

  1. Alexandre K. Filho

    Linda narração. Vc. foi muito objetiva na descrição. Só a deplorar o triste fim de Dani …

  2. Neli Faria

    Solidarizo com a família e amigos. Muito triste. Que dor para a filha. Força para ela.

    • Mauro Paiva

      Que bela mensagem você postou homenageando a sua amiga , é muito triste de saber a forma como ela perdeu a vida , como alguém pode tirar a vida de alguém que só queria viver, de forma tão covarde , isso não entra na minha cabeça. Que Deus abençoe toda a família.

  3. marcio

    Belo texto de uma triste tragédia.

  4. Ricardo

    Lindo texto… Mas que tragédia… Força pra filha, pra família, pros amigos

  5. Carla Barretto

    Linda homenagem … palavras leves e com muito amor e carinho pela Dani …. Mas no outro extremo fica o espanto , a indignação pela covardia de um monstro… jamais vou deixar de me espantar com esses monstros , mas o espiritismo me ajudou a aceitar melhor …

  6. Vera reis

    Muito triste e inacreditável … não a conhecia, mas seguia a BSG!

    • Cicero

      Bahhh, q o Senhor conforte a Família e amigos, um Abç, a tds.

      Paz

      • Adriana Cardassi

        Qtos homens covardes iguais a este q não aceita perder q justiça seja feita e pague por longos anos já q estás três vidas foram covardemente tiradas por este monstro.

  7. Carloa

    Lamentável, que o espírito santo de Deus, conforte toda família!

  8. Maurício Freire

    Nossa, como um crime horrendo deste não repercutiu ???? Pesquisei no Google e o único registro deste crime está aqui neste blog. Nem na Folha o crime foi noticiado. É caso de ampla repercussão, Jornal Nacional. É um triplo feminicídio, uma mãe e duas filhas, o léxico é insuficiente para manifestar tanta revolta e indignação.

  9. lilly

    That’s really massive exposure post and I must admire you in this regard.
    Good Morning Messages

inscrição feita!

Pin It on Pinterest