Mais uma vez aconteceu e o racismo no esporte foi pauta durante o início da semana. Os desdobramentos do caso que coloca o brasileiro Vini Júnior no centro dos ataques criminosos, ainda ocupam algum espaço na mídia.

Por aqui, não há meios de ignorar o fato de que mais uma vez um ser humano é rebaixado, humilhado, agredido por ser quem é. O racismo, assim como o machismo, é uma violência extrema que corrói o bem-estar e a saúde emocional de quem a sofre. Seja por ser negro, seja por ser mulher, ambas as condições existenciais são ainda, em pleno 2023, motivo para reprimir e criminalizar quem as sustenta.

É muito louco pensar que hoje há quem acredite em vitimização, mimimi ou racismo reverso. Ora, ora, tais argumentos parecem ainda mais cruéis e impactam diretamente as pessoas que há séculos são assassinadas e negligenciadas.

Além de contradizer fatos gritantemente translúcidos e que são a todo o tempo colocados diante dos olhos e ouvidos dos minimamente informados, há o silêncio de grande parte da sociedade, que insiste em se manter distanciada da necessidade de combater o racismo no Brasil e no mundo.

Vale lembrar que a omissão também fortalece o coro dos racistas.

É mais do que razoável que cada brasileiro que escreve, fala, tenha o dever de um posicionamento Afinal de que valem likes, seguidores e publis, se sua voz não ecoa para diminuir as injustiças e desigualdades?  

Racismo contra Vini Júnior faz lembrar de poema sobre o que é militância

Militância – poema de BENÍCIO DOS SANTOS SANTOS

Siga Origem Surf no Instagram