Home > Notícias > Polinésios, peruanos, santistas ou cariocas: quem inventou o surfe?

Polinésios, peruanos, santistas ou cariocas: quem inventou o surfe?

por | maio 8, 2016 | Notícias | 5 Comentários

Quem inventou o surfe?

Por Janaína Pedroso

Quando o assunto é sobre quem inventou o surfe, dois povos disputam o título: polinésios e peruanos. Os primeiros criaram as “Alaias”, prancha de madeira sem quilhas, já os peruanos inventaram o “Caballito de Totora”, uma espécie de embarcação que também servia para deslizar sobre as ondas como diversão.

Já no Brasil, foi na década de 30 que o surfe começou. Mais precisamente em Santos, com os irmãos americanos: Margoh e Thomas Rittscher vindos de Nova Jersey, assim como Juá Hafers e Osmar Gonçalves, que em anos distintos, criaram suas pranchas de madeira.

Mas foi somente na década de 60 que o esporte começou a se popularizar de fato no país. O arquiteto carioca Irecyr Brandão desenvolveu a “madeirite” prancha monoquilha, construída a partir de material chamado “compensado naval”, folhas de madeira envergadas e prensadas. A partir daí, a evolução das pranchas não parou mais.

Hoje, blocos de poliuretano são os mais usados entre os fabricantes de prancha. A evolução dos acessórios também é interessante, parafina, leash, astro deck e quilhas de carbono, já ganharam milhares de versões. Hoje vivemos com infinitas possibilidades. Há quem dispense as tecnologias e, em pleno século 21, prefira suas monoquilhas old school.

O reconhecimento mundial do esporte veio através de Duke Paoa, atleta olímpico havaiano que fazia questão de difundir a prática do surfe em suas viagens à Califórnia, França, África e Austrália. Nessa época, o esporte estava ligado às energias positivas e ao culto ao espírito do mar.

Dois australianos muito importantes na história do surfe são Mark Richards e Simon Anderson. O primeiro criou, em 1980, o modelo twin-fin (duas quilhas); um ano mais tarde, Simon inventava a triquilha. Avanços que contribuíram muito para o esporte, dando mais velocidade e agilidade para o surfe de competição, fazendo com que novas manobras pudessem surgir na cena desse esporte.

Seguindo a ordem cronológica, surge Kelly Slater, o surfista da Flórida, 11 vezes campeão mundial que começou a dar suas primeiras rabetadas nos anos 80 e não parou mais. Criou-se a ASP, responsável pelos principais circuitos mundiais: WCT e WQS. Nessa época, os brasileiros Fabio Gouveia e Teco Padaratz representavam o Brasil pelos circuitos mundo a fora. Hoje os circuitos abandonaram seus Ws, e ASP virou WSL com seu CT e QS.

O esporte segue em pleno vapor e a evolução é constante! Quem diria, que em 2018, teríamos dois campeões mundiais?

 

 

 

 

Sobre o autor

Origem Surf

Janaína Pedroso surfa há 21 anos. É formada em Comunicação Social/Jornalismo, com especialização em Roteiro para TV, Teatro e Cinema. Já atuou como apresentadora com passagens pela Globo, Band e CNT e como repórter para Editora Trip. Atualmente divide seu tempo entre a maternidade, o surfe, a produção de textos e à frente da empresa de comunicação Origem Press.

Postagens relacionadas
Sportv promove reciclagem durante etapa da WSL em Saquarema

Sportv promove reciclagem durante etapa da WSL em Saquarema

Sportv promove reciclagem para quem estiver em Saquarema, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro, entre os dias 22 e 30 de junho. Por conta da oitava etapa do Circuito Mundial de Surfe (WSL), o público poderá acompanhar o stand criado com material sustentável, montado...

Cloudbreak será palco do WSL Finals 2025

Cloudbreak será palco do WSL Finals 2025

A World Surf League (WSL) anunciou hoje que Cloudbreak, nas Ilhas Fiji, será o palco do WSL Finals em 2025. A final que define o campeão e a campeã mundial em um único dia, aproveitando as melhores ondas no período determinado para a realização da competição. Os cinco...

5 Comentários

  1. KINGKONG

    VEGUS168S VEGUS168S
    VEGUS168S
    VEGUS168S
    VEGUS168S
    VEGUS168S
    IF YOU NEED TO RICH CICK BELOW
    https://www.vegus168s.com/

inscrição feita!

Pin It on Pinterest