Vitória de Toledo e Weston-Webb na terceira parada da perna australiana, reforça a liderança dos surfistas brasileiros na corrida pelo título mundial de surfe de 2021.

por Janaína Pedroso

Depois de alguns dias de espera e com nova ondulação consistente na costa de Margaret River, o Boost Mobile Margaret River Pro, apresentado pela Corona, teve novo início na noite de ontem, 9. Com baixas consideráveis, como a derrota de Gabriel Medina para o novato Seth Muniz e a contusão de John John Florence, a corrida pelo título da etapa mudou de figura. 

Na primeira final do dia, a brasileira Tatiana Weston-Webb, que vai representar o país nas Olimpíadas, mostrou um surf muito sólido e consistente. Sua oponente, a multicampeã mundial Stephanie Gilmore, fez o que se pode chamar de “feijão com arroz”, de maneira que não arriscou nenhuma grande manobra na parte crítica da onda, tampouco escolheu as maiores ondas. Em contrapartida, Tatiana escolheu as ondas mais volumosas da bateria, completou finalizações impressionantes e desempenhou manobras de borda, com muita firmeza e plasticidade.

“A Steph (Gilmore) é uma das melhores surfistas de todos os tempos que sempre admirei muito, então foi incrível enfrentá-la em uma final. Você não costuma surfar contra uma surfista sete vezes campeã mundial e estou muito grata por ter vencido,” diz Tatiana.

Já na final masculina, Toledo dominou a batalha contra o sul-africano Jordy Smith, que aliás era considerado um favorito da etapa, uma vez que seu surf sólido e o próprio porte do atleta o favoreciam nas ondas que eram esperadas em Margaret, especialmente The Box. Porém, a tubular e assustadora onda de The Box, não entrou no cronograma do evento, o que pode ter até contribuído para o brasileiro. 

“Foi um sentimento incrível. O evento foi difícil, mas foi divertido surfar tantas baterias boas com tantos surfistas bons. Essa vitória é especial, porque eu prometi para minha esposa e para o meu filho, Koa, que eu ia vencer para levar esse troféu para ele de aniversário que está comemorando hoje (segunda-feira). A missão foi cumprida e amo muito vocês e a minha família toda. Feliz Dia das Mães para a minha mãe, minha esposa e para todas as mães. Sem vocês a gente não estaria aqui. Me sinto abençoado com essa vitória e só tenho que agradecer por ter tido essa oportunidade”. diz Filipe Toledo. 

Confira o ranking até o momento atual:

Top 10 do Ranking Feminino 2021 – 4 etapas:

  • 1.a- Carissa Moore (EUA) – 29.970 pontos
  • 2.a- Tatiana Weston-Webb (BRA) – 26.495
  • 3.a- Stephanie Gilmore (AUS) – 22.035
  • 4.a- Caroline Marks (EUA) – 21.305
  • 5.a- Tyler Wright (AUS) – 19.965
  • 6.a- Sally Fitzgibbons (AUS) – 18.185
  • 7.a- Johanne Defay (FRA) – 16.845
  • 8.a- Isabella Nichols (AUS) – 16.200
  • 9.a- Courtney Conlogue (EUA) – 14.485
  • 9.a- Bronte Macaulay (AUS) – 14.485
  • 9.a- Keely Andrew (AUS) – 14.485

Top 10 do Ranking 2021 (WSL)– 4 etapas:

  • 1.o- Gabriel Medina (BRA) – 28.920 pontos
  • 2.o- Italo Ferreira (BRA) – 24.150
  • 3.o- Filipe Toledo (BRA) – 20.735
  • 4.o- John John Florence (EUA) – 19.395
  • 5.o- Jordy Smith (AFR) – 19.185
  • 6.o- Griffin Colapinto (EUA) – 16.820
  • 7.o- Kanoa Igarashi (JPN) – 16.130
  • 8.o- Ryan Callinan (AUS) – 14.140
  • 8.o- Conner Coffin (EUA) – 14.140
  • 10.o- Frederico Morais (PRT) – 14.055
Filipe Toledo em Margaret River, WA, Australia. Foto Matt Dunbar/World Surf League via Getty Images.
Tatiana Weston-Webb na final do Boost Mobile Margaret River Pro, em Margaret River, WA, Australia. Foto Matt Dunbar/World Surf League via Getty Images.