Hoje, no Dia Internacional da Mulher, separei uma lista de dez mulheres surfistas que de alguma forma inspiram, e ainda revolucionam o cenário do surfe nacional e internacional. De Maya Gabeira a Tita Tavares; de Margo Oberg a Stephanie Gilmore, certamente muitas mulheres importantes ficam de fora dessa lista.

Desde que criei o Origem Surf, minha missão era jogar luz a temas como sexismo, machismo e misoginia na água. Por vezes, já sofri na pele com isso desde que comecei a frequentar esse ambiente tão masculino. Sem falar na dor que dá ao ver e ouvir mulheres que se dizem a favor do surf feminino ao lado de figuras completamente opostas às causas das mulheres.

Contudo, hoje o dia pede celebração e energias elevadas. Por isso, não me alongo e abaixo deixo alguns nomes de mulheres surfistas que me inspiraram e ainda inspiram a ser uma surfista e um ser humano melhor!

Tita Tavares. Foto Rick Werneck

Confira 10 surfistas inspiradoras e revolucionárias

  • Maya Gabeira: primeira mulher a entrar para o Guinness Book com maior onda surfada. Maya Gabeira não poderia jamais estar fora dessa lista. A surfista tem uma lista imensa no currículo que certamente a faz uma revolucionária no sentido de romper com padrões e barreiras estipuladas pelo patriarcado e impressas no universo salgado!
Maya Gabeira em Jaws.
  • Frieda Zamba: chamada de ‘Rainha do surf” pela famosa Illustrated Magazine, e dona de diversas capas na Surfer, Zamba foi uma das primeiras mulheres a questionar o modus operandi da indústria do surf. Com quatro títulos mundiais na carreira, a surfista da Flórida se posicionava contra o machismo da indústria numa época em que poucas mulheres ousavam questionar certas coisas. 
  • Stephanie Gilmore: 8 vezes campeã mundial, a australiana revolucionou a cena competitiva feminina do surf, e tem inspirado diversas mulheres que sonham com carreira de competição.
  • Tita Tavares: conhecida como a pequena gigante do surf brasileiro. Maria das Graças venceu todas as adversidades para conquistar inúmeras vitórias em eventos profissionais.
Tita Tavares em 1999.
  • Keala Kennelly: primeira mulher a fazer tow-in em Teahupoo e a se posicionar publicamente sobre sua sexualidade. Surfista homossexual assumida, Keala rompe uma importantíssima barreira no surfe!
  • Silvana Lima: a primeira mulher a dar um aéreo em competição (2015). A brasileira é certamente uma das mulheres mais resilientes que o surfe já viu. Apesar de diversas adversidades, Silvana seguiu com o sonho de competir, inclusive chegando a representar o Brasil nas Olimpíadas!
  • Moana Jones Wong: primeira mulher a vencer um evento mundial em Pipeline, já nomeada rainha de Pipe, a jovem rompeu barreiras, não só impulsionando outras mulheres a desafiarem suas próprias limitações, mas mostrando ao mundo que sim, as mulheres têm o direito de surfar em Pipeline!
  • Claudinha Gonçalves: primeira mulher surfista brasileira comentarista de surf nas olimpíadas e etapas do CT, com transmissão na TV. Desde pequena envolvida no surfe, a surfista nascida no Guarujá, São Paulo e tem uma das carreiras mais consolidadas de surfista profissional no Brasil. Hoje, a surfista se dedica a ensinar outras mulheres a surfarem, repassando suas técnicas e conhecimentos para garantir a autonomia de mulheres na água!!
  • Margo Oberg: primeira surfista profissional do mundo. Nascida na Pensilvânia, em 1953, Margo se mudou com a família para San Diego e aos 10 anos já estava surfando. Aos 12 anos ela conquistou sua primeira vitória em uma competição de surf. Com uma personalidade marcante, Oberg por vezes causou polêmicas ou desconfortos com suas entrevistas e artigos. Concordemos ou não com ela, Oberg abriu o caminho no surf à competição feminina!
Margo Oberg em Sunset Beach. Foto Jeff Devine.
  • Melanie Bartels: foi uma das primeiras mulheres surfistas, senão a primeira, a dar aéreos por aí. Se hoje temos o prazer de assistir inúmeras mulheres em manobras progressivas, certamente isso é função de Melanie ter aberto os caminhos e mostrado que sim, mulher também dá aéreo!!